Yoga Integral de Sri Aurobindo

sri aurobindo

A Yoga Integral de Sri Aurobindo

Todos os livros de yoga que encontrei no meu caminho, todas as práticas que experimentei nos rastros desses antigos mestres; todas as vidas que repeti o mesmo movimento de isolamento, afastamento do mundo só me fizeram ver os equívocos enraizados nessas tradições transcendentais

Então, encarna Sri Aurobindo, cuja prática mais universalista e viva do yoga ilumina milênios que passaram na evolução da cultura em realizar uma yoga integral.

Dizer da união com o Divino não basta se elevar os mundos celestiais das deidades, no panteão Hindu, sejam os paraísos de vishnu, shiva, kali ou na própria consciência repousando em bramam.

Elevar-se parcialmente, em corpos sutis aos mundos transcendentais, mergulhar em estase ou mesmo dedicar-se ao karma yoga da assistência não se comparam ao abrir-se à luz e deixar baixar pelo corpo a consciência e os estágios mentais que nos esperam no futuro da nossa humanidade.

Sri Aurobindo manifestou essa grande realização, mas não para termos mais um guru, swami, mestre ou iluminado, mas para nos convidar a encarnar, homens e mulheres, o divino no pensamento, estabelecendo uma relação amorosa que não busca, mas recebe, que não transcende mas também encarna que não eleva mas que baixa, incorpora e escorre pelas esferas luminosas através dos mundos e do tempo para que o brilho de cada gesto, seja uma manifestação mais ampla, conectada, genuína e verdadeira do deleite amoroso da relação com o divino.

Mas não se trata de atitude devocional, ao contrário, mais próximo da tradição pentecostal, Aurobindo propõe uma receptividade feminina ao amor da grande mãe na sua imagem. Assim, não vamos ao divino, convidamos o infinito a vir nos visitar nas nossas células, nas nossas moradas interiores, na nossas palavras e gestos de forma a só de agora em agora, sejamos mais próximos do chão onde o céu se encontra.

Sri Aurobindo tampouco ignora as consciências humanas do astral, em diálogos com seus mestres translúcidos, redescobre o sentido das escrituras védicas ao mesmo tempo que prepara sua atividade que baixar sabedoria de um saber que é próprio e nasce em diálogo com essas inteligências que se aproximam para ensinar como o próprio Vivekananda principal discípulo de Ramakrishna, que lhe transmitiu as práticas nos anos de cárcere.

Assim, Aurobindo encarna uma atitude integral, de cuidado e vigilância para se manter aberto à relação com o Divino, mas não faz isso sem despreocupar-se com o mundo, ao contrário. Cria-se em torno de sua obra e seu trabalho uma enorme ecovilla onde cidadãos do mundo atualizam seus ensinamentos em condições talvez mais inteiras.

Quando ensinamentos como esses encarnam, tanto na relação com os deuses, devas, quanto na relação com os seres recém desencarnados, uma integração ainda maior nos aparece.

Um homem e uma mulher receptivos ao divinho, ao infinito ao mistério e ao transformador influxo de luz e lucidez que desce e escorre até os corações e reanima toda palavra justa.

Quero deixar esse registro de yoga como uma gratidão e síntese do que aprendi com os registros de Aurobindo e dos seus discípulos.

A certeza que a humanidade um dia vai ver a mente, tal como hoje vê o corpo, objeto-sentido, aí podermos falar de um ponto supramental, onde repousa a nossa inteligência conciliadora e pacífica.

Enquanto isso nos resta conspirar para que mais e mais dessa luz possa chegar a todos os cantos escuros e desconformados de rastros  que arrastamos sem precisão.

About The Author

Mario Fialho

Mário Fialho é pai do Miguel Luz, professor na multiversidade, clínica e escola em Niterói. Vive dedicado a escrever, ensinar e a cuidar de tudo que é bom, belo e verdadeiro com simplicidade. E agradece a sua visita.

Escreva, sua opinião é muito importante.