A vida e a arte do limite

A vida e a arte do limite

Quando soltar-se em sopro vento e ventania

Quando desbasta olhar pra sentir

Quando o sol arrebata em teu peito

Quanto da luz fala alto no fechar dos olhos

Quanto tudo é Ser presente

Vida que invade em vagas

Vasos de vazios transbordam

Vigas e vigor em fervor

Canta o corpo trêmulo das vestes de luz

Visto meu manto da calma e…

Revisito as bordas finas que ligam o céu e a terra

Amor, amor, amor

Em cada canto, canto encantos, enquanto conto que

Viver, vir ver, vim ver, vi versos pra dizer que

Pra tudo reverso há em ver se fica são

Pra te dizer que está tão certa quanto estou

Nem aí nem aqui o presente está entre tantos

Tantas

Tantras

About The Author

Mario Fialho

Mário Fialho é pai do Miguel Luz, professor na multiversidade, clínica e escola em Niterói. Vive dedicado a escrever, ensinar e a cuidar de tudo que é bom, belo e verdadeiro com simplicidade. E agradece a sua visita.

Escreva, sua opinião é muito importante.