A transmissão da medicina chinesa – de mestre para discipulo

imperador de jade

Mestre, ter ou não ter, eis a questão presente em muitas tradições no ocidente. Precisamos ou não de alguém para nos apontar o caminho?

Eu sou desses caras que gosta muito de ler, tenho muitos mais livros do que consigo digerir e dos prazeres da vida, o de um novo meme radicalmente mudando as sinapses no meu cérebro é um dos mais caros e preciosos instantes, eles simplesmente nos transformam completamente!

Como no filme inception (a origem):

“Uma idéia é a contagiosa, mais difícil de erradicar. Uma vez que tenha sido completamente compreendida, ela fixa, lá dentro do cérebro em algum lugar.”

Assim é o ensinamento, o aprendizado e eu sigo aprendendo sempre, principalmente medicina chinesa que é uma arte infinita. Já com quase uma década praticando eu sigo tendo epifanias com novas idéias, com novas formas de tratar e é uma alegria enorme ver pacientes que chegam com 5 ou 10 queixas diferentes em algumas sessões já nem se lembrarem de tudo que lhes afligia.

Mas como aprender? Minha principal prática pra aprender é ensinar. Mesmo assim, um ano atrás tive um encontro muito precioso que mudou minha prática de acupuntura completamente.

Ao encontrar o sensei, mestre em japonês, tive imediatamente uma enorme simpatia. A imagem do imortal taoísta ao fundo da sala e o chá oriental servido durante as aulas também ajudavam a criar um clima muito propício ao encontro e ao aprendizado com a cultura oriental.

Mas afinal o que aprendi de tão especial? Primeiro quero dizer que a mais importantes transmissões são aquelas que não podem se ditas. Eu sequer tomava nota das aulas na esperança de estar completamente presente.  Existe aprendizado, então, quando se encontra um professor autêntico, com uma inspiração, um estilo, uma estética própria em cada ação, em cada palavra, em cada gesto que não está em nenhum livro e tampouco pode ser aprendido.

Mesmo assim vou tentar ilustrar alguns desses momentos:

As bênçãos dos imortais

O taoísmo é uma sabedoria-religião com uma egrégora muito típica, entrar em contato com emanações do imperador de jade, mantras e sinos foram iniciações muito poderosas e impossíveis de descrever seus efeitos. A euforia que me tomava no caminho de volta ao atravessa a ponte era indescritível. Um mestre quando nos faz uma tramissão assim, se estivermos capazes de receber , ilumina o mundo ao nosso redor. A força e a presença dessas dimensões sutis são muito preciosas e raras.

Exorcismo com fórmulas mágicas

A escrita chinesa como sabemos é muito singular, sua força mágica sempre esteve presente nos amuletos dos mestres taoístas e, com todas a considerações sobre a natureza do pensamento mágico, aqui quero tecer uma reflexão fenomenológica. Assim, ao ver os nomes sagrados queimados sentia energias percorrendo meu corpo, semelhante aos processos de limpeza e exorcismos de diversas tradições. É interessante pensar os cuidados dos taoístas e o respeito com essas forças do mundo sutil na prática clínica. Eu mesmo sei o quanto eu consigo atender no dia-a-dia de forma que consiga manter sob controle essas energias.

Tai chi e a postura correta

Certa vez, fui colocado numa postura simples de tai chi e meu corpo todo se inundou de luz. Eu sequer suportei ficar na postura por muito tempo. Embora não seja praticante de Tai chi chuan, é impressionantes como pequenos detalhes na sua postura afetam totalmente a sua prática. Assim também, aprendi a ter muito mais cuidado na postura do meu corpo na abertura das articulações no instante de inserir uma agulha.

Os exércitos celestiais dos imperadores taoístas

Nos meus anos que participei dos centros espiritas quando uma falange de arcanjos, espíritos ou outros seres do astral chegavam eles traziam uma força e uma qualidade próprias, perceber as alianças possíveis que um ocidental pode fazer com estes seres na tradição taoísta me fez ter ainda mais carinho e respeito pela arte de guiar o sopro pelo corpo. É uma alegria poder me dedicar a essa arte que sempre mais me surpreende com suas possibilidades.

Hoje, me sinto tão cheio de ferramentas novas, de novos olhares, de novas técnicas que estou seguro de que no mundo se pode cura tudo. É possível, posso, eu, não ter os recursos, mas no mundo tudo tem cura, a vida é a própria cura.

Em termos mais evidentes, fui apresentado ao estilo japonês de acupuntura, especialmente do mestre Nagano, tal como transmitido por Kiiko Matsumoto, Tong, Ikeda, Manaka e tantos outros. Entrei em contato com muito mais informações do que pude assimilar e por isso também quero poder digerir tudo isso. Cada um desses serão anos de estudos a mais em livros e aulas para aperfeiçoar o estilo e a técnica, de qualquer forma, a acupuntura que pratico se tornou mais efeiva e prática com tudo que aprendi no ano que passou.

Escrevo para registrar e agradecer e se você encontrar um mestre autêntico no seu caminho, agradeça ao universo por essa dádiva.

About The Author

Mario Fialho

Mário Fialho é pai do Miguel Luz, professor na multiversidade, clínica e escola em Niterói. Vive dedicado a escrever, ensinar e a cuidar de tudo que é bom, belo e verdadeiro com simplicidade. E agradece a sua visita.

Escreva, sua opinião é muito importante.