Sicko, filme de Moore e reflexões sobre a medicina chinesa

Acabei de assistir Sicko, o filme em que Michael Moore revela as falhas do sistema de saúde nos EUA. Mostra como o sistema de saúde baseados no seguro saúde não é mais do que um negócio onde as pessoas ficam de fora sem conseguir tratamento para a centenas de doenças cada vez mais comum. Brincando com saúde de pacientes os estados unidos estão cada vez pior no atendimento de saúde baseada na biomedicina e na indústria famacêutica.

O que pode a acupuntura oferecer na contra-mão desta história? No meu pequeno entendimento sobre o assunto, gosto da crítica fundamental que o Van Nghi fez aos médicos no curso que realizou aqui no Brasil. Imagine que ele disse aos médicos presentes: Vocês não são médicos, são na verdade vendedores de remédios, enquanto estiverem trabalhando para a indústria famacêutica não merecem ser chamados médicos. Imaginem o que fariam sem suas máquinas de exames e sem os remédios de fórmulas patenteadas que não conhecem. Um médico no oriente faz seu remédio e traz alívio do sofrimento com suas próprias mãos.

Essa é uma crítica séria, num mundo com descuidos cada vez maiores, vejo acupunturistas sendo criticados também por se tornarem agulhadores cada vez mais rápidos. Esta semana me chegou um paciente dizendo que sua mãe, uma senhora de 87 anos, tinha abandonado a acupuntura porque, segundo ela, o chinês que a tratava tinha se tornado muito capitalista.

Eu tenho felizmente atendido muitos pacientes, mas gosto e preciso de tempo pra pensar sobre cada um deles com calma e atenção, considero acupuntura uma arte sutil que demanda atenção e relamente se seu projeto é ganhar dinheiro, não pratique acupuntura. Não vai te deixar rico. Acupuntura é uma medicina avançada demais para os nossos tempos em que o sistema de saúde não cobre tratamentos longos com muitas visitas, trata-se de um sistema de tratamentos em casa com remédios cada vez mais caros. Vejo meus pais por exemplo, gastam muito dinheiro com remédios mesmo tendo planos de saúde e sendo idosos.

Foi um choque pra mim saber dos benefícios do sistema de saúde na França e na Inglaterra que são mostrados no filme Sicko. As imagens de Cuba, país que visitei alguns anos atrás não eram surpresa, ver como na ilha de Fidel todos tem acesso ao melhor serviço de saúde de toda a América, exceto Canadá. Lá, acupuntura, homeopatia e outras medicinas são muito utilizadas e talvez seja o melhor lugar para se estudar se não quiser viajar para china.

Enfim, queria fazer essa reflexão e afirmar alguns pontos:

Acupuntura é uma medicina preventiva, por isso mais barata e com mais resultados, mesmo que felizmente não tão visíveis.

Acupuntura é acessível, um terapeuta experiente pode atender bem mais de 20 pacientes por dia.

A medicina no leste asiático é uma medicina eficaz para tratar múltiplos sintomas que aparentemente não estariam conectados segundo as especialidades da medicina ocidental.

É barata, agulhas são baratas, não se gasta luz, ou se precisa de altas tecnologias para uma boa prática, mas precisa sim de ótimos profissionais com desejo de cuidar bem dos pacientes.

Enfim, eu escolhi me tornar acupunturista porque confio que é possível viver com mais do que ausência de sintomas, mas com saúde e plenitude, com alegria de viver e desejo de viver melhor.

Recomento o filme e espero que outros terapeutas possam ver no filme tantas inspirações quantas as lágrimas que derramei pela nossa condição humana.

About The Author

Mario Fialho

Mário Fialho é pai do Miguel Luz, professor na multiversidade, clínica e escola em Niterói. Vive dedicado a escrever, ensinar e a cuidar de tudo que é bom, belo e verdadeiro com simplicidade. E agradece a sua visita.

Escreva, sua opinião é muito importante.