Por que eu deveria aprender acupuntura japonesa?

Aprender acupuntura japonesa é bem diferente da MTC.

Isto porque, a aprender acupuntura japonesa se manteve mais próxima da arte do que do conhecimento livresco. Ela é mais atersanal do que teórica. É mais prática do que acadêmica. Mais eficácia do que explicação.

Assim, quem está acostumado a consultar o livro antes de atender o paciente a fazer longos diagnósticos, a partir da doença para encontrar sua causa pode ser ver chocado com a simplicidade da arte de palpar e tratar as desarmonias.

Assim, se você acha que acupuntura trata doenças, isto é, tratar as categorias descritas nos manuais de médicos, se acha que acupuntura é relacionada com nervos e hormônios se ainda não entendeu que se trata do fluxo do Qi, do sopro imaterial que nos percorre, então, talvez não seja para você.

Estudar acupuntura enquanto arte frustra muitos estudantes que estão em busca das fórmulas mágicas, que querem saber em que livro está o conhecimento e se esquecem a todo momento, de tratar a si mesmos e também de perceber que uma transmissão verdadeira se faz em silêncio, com seu copo vazio.

Sei que pode parecer razoável, mas se você não está disposto a ser agulhado, você não deveria poder se intitular acupunturista, e infelizmente é assim com muitos praticantes. Achamos que é o tratamento do sopro é para os outros e nos mantermos em desequilíbrio querendo tratar o mundo sem nos tratar, isso só pode gerar desarmonia.

Encontre um Mestre – alguém que ensina acupuntura japonesa por amor, eles existem.

Aprender acupuntura japonesa, enquanto arte, demanda encontrar um mestre, alguém que tenha dominado seu próprio sopro a ponto de transmitir o conhecimento que foi cultivado. Este conhecimento não aparece nos resumos, mas nãos mãos, na prática, na percepção e demanda uma inteligência total. Tive o mérito de encontrar mestres e a prática me levou a maestria suficiente para não gerar desenganos e falar do que não sei ou não experimentei. Parece simples, mas se seu conhecimento vem dos livros e não é verificado na prática, então, você não tem muito o que fazer.

Infelizmente tratarmos as fórmulas de acupuntura como se fossem remédios para tratar doenças, o que não são, são o entendimento de mestres do passado depois de contemplar e harmonizar-se a si mesmos com o seu próprio sopro.

Somos, na nossa escola, muito exigentes com os alunos, aceitamos a todos, independente a formação, mas nem todos ficam no curso porque o tratar a si mesmo é algo muito transformador se for levado a sério. Boa parte dos terapeutas tem medo de se expor as terapias que sugere para seus cliente. Essa mentira fundamental é muito grave, pois alguém em desequilíbrio só pode levar desequilíbrio para onde for.

aprender acupuntura japonesa esvaziar o copo

Assim, a arte para aprender acupuntura japonesa, demanda um espírito zen, ou seja um espírito de simplicidade e silêncio, para chegar ao máximo de resultado com um mínimo de esforço. Essa simplicidade é vista como probreza para o olhar do que gastou anos estudando livros grandes em nenhum conteúdo real, e também pode ser vista como bolinhas de vidro pelo iniciante que não sabe o valor dos diamantes que está recebendo.

A verdadeira questão para ser apresentado para uma arte verdadeira é muito mais saber se o estudante está maduro o suficiente par receber o que está sendo transmitido, se ele tem olhos de ver e coração para ouvir. Quando o discipulo está pronto, o mestre aparece, isso ainda é verdade.

A arte de aprender acupuntura japonesa, ou qualquer arte, demanda que tornemos o nosso pote vazio, assim, poderemos receber mais e renovado chá da nossa experiência. Se mantivermos o pode cheio, ele vai derramar e inflamar quem o sustenta.

Aprender Acupuntura japonesa e o zen podem ser uma tarefa de muitas vidas, ou uma visita até a nossa escola de acupuntura.

Mesmo assim, não está garantido que você vai encontrar o que está buscando, ou que tem méritos para receber, isso é um fato da vida e não tem nada que possamos fazer senão torcer que teu destinho seja bom, que você faça boas escolhas e atraia para si as melhores experiências nesta vida, afinal, seu espírito criativo, Shén, é quem vai criar sua realidade.

 

About The Author

Mario Fialho

Mário Fialho é pai do Miguel Luz, professor na multiversidade, clínica e escola em Niterói. Vive dedicado a escrever, ensinar e a cuidar de tudo que é bom, belo e verdadeiro com simplicidade. E agradece a sua visita.

Escreva, sua opinião é muito importante.