Amor

amor

até a próxima vida

Uma amiga e aluna do curso de acupuntura, ontem me pediu pra escrever uma página sobre amor. Eu lhe disse que já havia escrito demais sobre o tema nos últimos tempos, mesmo assim, ela insistiu, e como ela fica me ouvindo falar 4 horas sobre medicina chinesa aos finals de semana eu decidi acolher o pedido.

Quero começar dizendo o que amor não é: Não é ciúmes, não é apego, não é falta, não é saudade, não é desejo, não é êxtase, não é admiração, não é estética, não é luxuria, não é tesão, não é um, não é dois.

Dito isso, e superado tudo isso acima, podemos começar a sentir amor. Embora amor não seja propriamente um sentimento. E seja mais como uma experiência, um verbo intransitivo como bem definiu o poeta, quem ama, ama. Não ama objeto-outro, nem ama a si mesmo.

Já se disse que é uma dádiva, talvez seja. Seja o que for é bom demais!

Na tradição cristã tem uma frase lapidar que diz “amar ao próximo como a si mesmo.” Veja que no caso o objeto indireto, próximo, o que quer dizer?

Num nível mais bobo, da economia libidinal, amar o próximo como a si mesmo quer dizer não ame demais, não dê mais do que receba, ou, a regra é mais fácil, primeiro ame a si mesmo depois ame o outro como você ama a si mesmo.

Quando os budistas falam que amar a si mesmo e falta de amor a si mesmo é um absurdo, eu acho que eles estão completamente certos. Quem sofre de falta de estima na verdade se estima demais, quem se suicida, chega ao clímax dessa loucura. Eu não precisaria, né leitor, mas vou repetir, que nada disso também é o amor.

Haha, estou rindo do meu tom de quem vai dizer finalmente o que é o amor. Perdoem esse pobre mortal, mas os gregos talvez soubessem algo do amor e vou seguir um pouco suas teorias pra finalmente falarmos do que eu acho que seja o amor, hahaha, termino a frase com a mesma gargalhada.

Para os gregos tem 4 tipos de amor, pornéia – amor do desejo de consumir o outro, filia – amor da amizade, eros – amor que nos eleva e nos tira o chão, do impulso criativo e agape – o amor engajado no cuidado do outro e do mundo, dos pais pelos filhos e de cada um por toda a diversidade do mundo.

Ok, existe polêmica nos sentidos originais desses termos. Muitas tentativas de traduzi-los, por isso vou abandoná-los. Eu gosto de pensar que Eros é a energia criativa que sobe em direção ao uno e Agape é o a energia-consciência-amor que desce em direção a pluralidade de todas as coisas que abraça toda a manifestação, tudo que emerge. Que te parece?

Eu prometi escrever o que é o amor em uma única página e ela já está acabando.

Amor é. Amor é abertura sem tempo sem espaço sem objeto sem forma onde todo o universo se encontra.

Amor é o quando eu e tu, nós nos (dis-sol-vemos) quando os pensamentos já não alcançam e quando a energia flui livremente, amor é liberdade em todas as direções, através do outro.

Amor é ser um com todas as coisas que são todas um mesmo, no início e no fim de todas as coisas. Haha!

Acabou a página, mas como o amor sempre diz, diz e dirá a última palavra. Eu acrescento algo mais, uma linha, um risco pra que se saiba que o amor nunc(a cabe) e sempre vai além.

Não dá pra ver, mas saiba que ao final-agora, só resta um sorriso e lágrimas, nesse encontro está o amor.

3 de janeiro de 2010

Dedicado a uma certa “noiva em fuga” que como tudo na vida faz o que é certo pra equilibrar os ciclos de nascimentos em mortes em sansara.

About The Author

Mario Fialho

Mário Fialho é pai do Miguel Luz, professor na multiversidade, clínica e escola em Niterói. Vive dedicado a escrever, ensinar e a cuidar de tudo que é bom, belo e verdadeiro com simplicidade. E agradece a sua visita.

Escreva, sua opinião é muito importante.